Governador (a) Affonso Augusto Moreira Penna

Mandato: 13/07/1892 à 07/09/1894
Publicado em: 31/12/1969 - 21:12:12

Biografia

Natural de Santa Bárbara (MG), nasceu em 30 de novembro de 1847 e faleceu em 14 de junho de 1909, no Rio de Janeiro
Filho do português Domingos José Teixeira Penna e Ana Moreira dos Santos Penna
Formação: Curso de Humanidades no Caraça e Bacharel em Ciências Jurídicas - Faculdade de Direito de São Paulo -1870

Atividades

  • Deputado provincial - 1874 -1879
  • Deputado geral pelo Partido Liberal - 1878-1889
  • Ministro da Guerra do gabinete Martinho Campos
  • Ministro da Agricultura, Comércio e Obras Públicas do gabinete Lafayete
  • Ministro da Justiça no gabinete Saraiva - concedeu liberdade aos escravos maiores de 60 anos 1885
  • Conselheiro de Estado - nomeado por D. Pedro II - 1888
  • Membro da comissão incumbida de elaborar o Código Civil Brasileiro - 1888
  • Senador e presidente da comissão encarregada da redação geral da Constituição do Estado pelo Partido Republicano Mineiro - 1891 a 1895
  • Presidente do Estado de Minas Gerais - 1892 a 1894
  • Presidente  do Banco da República (atual Banco do Brasil) - 1895-1898
  • Diretor e professor da Faculdade Livre de Direito de Minas Gerais -1899
  • Primeiro presidente do Conselho Deliberativo de Belo Horizonte - 1899 a 1904
  • Eleito senador estadual - 1900
  • Vice- presidente da República - 1903
  • Eleito presidente da República  - 1906

Trajetória

Da infância na histórica Santa Bárbara, até a Presidência da República, Affonso Penna trilhou um caminho sólido e intenso na política brasileira, sempre respeitado pelo seu caráter firme, pelos ideais e pela inteligência. Pertenceu a uma das mais famosas turmas da Faculdade de Direito de São Paulo, no Largo de São Francisco; foram seus colegas de sala de aula, Joaquim Nabuco, Rui Barbosa, Castro Alves, Rodrigues Alves e Crispim Jacques Bias Fortes. Ocupou diversos cargos da Monarquia à República sendo sempre fiel aos seus ideais. Foi abolicionista e assinou a Lei do Sexagenário, no dia 28 de setembro de 1885. Já no período da República preferiu se afastar da política por não concordar com o golpe de Floriano Peixoto. Como presidente do Estado de Minas Gerais, suas principais ações foram a construção de estradas de ferro, a redução de juros bancários, a criação da Faculdade Livre de Direito de Minas Gerais e a mais significativa de todas - a assinatura da lei para a construção da nova capital de Minas Gerais.

Antes de assumir a Presidência da República, viajou pelo Brasil para conhecer melhor as necessidades do País. Ágil, inquieto e de pequena estatura, ganhou o apelido de Tico-Tico. Para a composição de seu Ministério, escolheu ministros e jovens e com conhecimento técnico, causando o desagrado e a oposição de velhos políticos. Esse Ministério ficou conhecido como "Jardim de Infância".

As ações que marcaram o governo Affonso Penna na Presidência da República foram: estabilização cambial e monetária; desenvolvimento das comunicações telegráficas com o objetivo que todos os Estados fossem beneficiados; expansão da rede ferroviária - Estradas de Ferro Central do Brasil, Oeste de Minas, Leopoldina, Goiás, Sorocabana, Madeira e Madeira, Central de Alagoas, São Luiz e Baturité; obras de melhoramentos dos portos de Taqui (MA), Camocim (CE), Paranaguá (PR), Rio Grande (RS) e os portos de Natal, Recife, Vitória, Corumbá e Rio de Janeiro; construção e reparos dos prédios da Escola de Belas Artes, Biblioteca Nacional, Museu Nacional, Faculdade de Medicina da Bahia e Faculdade de Direito do Recife, Supremo Tribunal Federal e de estabelecimentos militares; saneamento do Rio de Janeiro, então capital federal; incentivo da imigração estrangeira; reformulação da organização interna do Exército sob a supervisão do ministro da Guerra, general Hermes da Fonseca; aprovação da lei que tornou o serviço militar obrigatório; criação do Ministério dos Negócios da Agricultura, da Indústria e Comércio e do Serviço Geológico e Mineralógico do Brasil.

Em 1909 a saúde do presidente Affonso Penna estava abalada - na vida política, crise pela disputa da sucessão; na vida pessoal, a profunda tristeza pela morte do filho Álvaro. Mesmo assim, não tirou licença e continuou trabalhando. Vítima de uma forte gripe que evoluiu para uma broncopneumonia, Affonso Augusto Moreira Penna faleceu em junho de 1909 exercendo a função de presidente da República.

Galeria de Governadores (a)

Aécio Neves

Ver

Affonso Augusto Moreira Penna

Ver

Alberto Pinto Coelho

Ver

Alcides Lins

Ver

Antonio Anastasia

Ver

Antônio Augusto de Lima

Ver

Antônio Aureliano Chaves de Mendonça

Ver

Antônio Carlos Ribeiro de Andrada

Ver